sexta-feira, 13 de maio de 2011

A ABRIR

Demorei e demorei, até chegar aqui! Aparentemente, a questão era ... o título. Até que, num acto de coragem, optei pelo óbvio. Afinal, ando por aí, olho e, por vezes, vejo; oiço e, por vezes, escuto; penso e, por vezes, registo. Também, por vezes, me apetece partilhar e, com sorte, lá ultrapasso a preguiça.
Outro título provável teria sido UNIVERSOS PARALELOS, pois acho que esta nossa existência, de que tendemos a falar, é disso expressão. Camadas, umas a par das outras, sem comunicação visível (ou previsível?), de um modo que impossibilita a compreensão do sentido essencial do conjunto, da origem e da razão de ser. Embora, numa vertigem de eventualidade, tudo pudesse ser tão simples como o simples virar duma folha, frente e verso, tão infinitamente distantes - como, entre si, as paralelas - e, afinal, tão próximas, indissociáveis.
Mas, ainda bem que me fiquei pelo óbvio, pois não é destas geometrias que tenciono falar.     

2 comentários:

  1. Força nisso!
    A angústia do "écran branco" é geral ;)
    Nome bem esgalhado!
    Paula

    ResponderEliminar